A Estrada para a Imagine Cup 2013
quarta-feira, 26 de junho de 2013
Em todo o mundo e em uma variedade de tecnologias da Microsoft, os MVPs oferecem sua experiência e paixão para a próxima geração de tecnólogos—estudantes concorrentes da Imagine Cup mundial. Este ano, os finalistas se reuniram em São Petersburgo, Rússia, durante a semana de 8 de julho.
  • Share this story on Facebook
  • Tweet this story
  • Email this story
Nos últimos dez anos, mais de 1,65 milhões de estudantes de mais de 190 países participaram da Imagine Cup. E não importem de onde são ou qual sua tecnologia de interesse, vários têm uma coisa em comum—eles têm sido ajudados por todo o caminho por um  Microsoft MVP.
O papel que os MVPs desempenham na promoção da próxima geração do Imagine Cup de tecnólogos de classe mundial varia desde o aconselhamento pessoal a atuação como criador do desafio de TI popular do Imagine Cup.
MVP do Exchange, Rand Morimoto (você pode ler seu Destaque em MVP neste site), foi solicitado a liderar o Desafio de TI quando o Imagine Cup tinha apenas dois anos de idade, ampliando o escopo da competição do seu foco inicial nos desenvolvedores. Desde então, ele tem supervisionado o Desafio de TI e atuado como juiz principal todos os anos, e todo ano ele tem se unido a vários outros MVPs.
Seu compromisso é enorme. No primeiro ano do Desafio de TI, Rand e seus colegas juízes supervisionaram uma competição com várias fases, incluindo questionários de múltipla escolha, redações e a construção de uma rede inteira do zero.
Desde então, eles tornaram a competição mais desafiadora.
No ano passado, em uma fase da competição, Rand e seus colegas juízes leram redações de 250 a 5000 palavras e, como tinham prometido, escreveram comentários construtivos e apontaram recursos adicionais aos estudantes em cada uma.
Aquele nível de comprometimento se reflete nos MVPs por todo o mundo, onde como mentores eles ajudam a ensinar, a dar forma e encorajar estudantes competidores excepcionais, trabalhando com eles por longas horas, geralmente durante os finais de semana, por vários meses.
Na Coreia, o MVP do Expression Blend YoungCheol Kwon tem trabalhado com os estudantes no Imagine Cup por mais de um ano—como ele fez com as incríveis equipes coreanas dos anos anteriores—apoiando sua paixão e criatividade respondendo suas perguntas difíceis e fornecendo muito encorajamento, às vezes tarde da noite. Era um trabalho duro, ele admite, porque ninguém tinha experiência no desenvolvimento no novo ambiente do Windows 8. Mas ele está orgulhoso, pois um de seus de seus estudantes estará voando para Rússia para competir nas finais com seu aplicativo do Windows 8.
MVP do Azure da Áustria Rainer Stropek terminou orientando duas equipes para o Imagine Cup deste ano: uma equipe de estudantes da Índia e uma da Áustria e ele estará acompanhando os finalistas na Rússia.
O MVP do OneNote da Alemanha Mark Kreuzer orientou uma das equipes vencedoras da Alemanha, ajudando as equipes a desenvolver o aplicativo “MySchool”. Embora a equipe não tenha chegado às finais em São Petersburgo, eles ganharam € 50.000 (mais de US$ 66.000) de fundos do Appcampus e foi convidada para um treinamento de quatro semanas em Helsinki, Finlândia.
E neste ano as equipes francesas do Imagine Cup viram novamente um grande fluxo de suporte de MVP, com seis MVPs orientando 80 estudantes.
Com o passar dos anos, os MVPs do mundo todo têm citado experiências comuns enquanto eles apoiam esta próxima geração de líderes em tecnologia: eles observam sua paixão, criatividade e tenacidade diante dos desafios. Os MVPs consistentemente dizem que eles têm sido no mínimo tão inspirados pelos estudantes como os estudantes foram por eles.
Rand aponta para esta experiência com o estudante que ficou em segundo lugar no primeiro Desafio de TI em 2005. Ele era de uma pequena cidade na Índia e recebeu US$ 8.000, mais do que sua família ganha em um ano, e moveu a sua família de sua casa de um quarto para uma casa maior na cidade, onde conseguiu um emprego na Microsoft. No ano seguinte, quando as finais do Imagine Cup foram realizadas na Índia, ele viajou por todo o país por três dias para conhecer Rand e apertar sua mão.